Arquivo de etiquetas: Fernando Freire

VN BARQUINHA: Fernando Freire recandidata-se e faz poucas alterações. Mas faz

_freirw_58ebeb469b0f8

A Comissão Política do Partido Socialista (PS) de Vila Nova da Barquinha (VNB) aprovou no passado dia 14 de julho as listas à Câmara Municipal, Assembleia Municipal e respetivas Assembleias de Freguesia. A aprovação granjeou unanimidade e a única alteração até agora conhecida prende-se com o candidato à Assembleia Municipal. Rui Picciochi, histórico dirigente socialista do concelho, é substituído por António Ribeiro, militar na reforma de 52 anos, que assim encabeça a lista à Assembleia Municipal.

Fernando Freire, advogado de 57 anos, natural de Oleiros e residente no concelho desde 1988, foi vereador da Cultura entre 2009 e 2013, ano em que passou a ocupar o cargo de presidente da Câmara Municipal após vencer com maioria absoluta.

Nas Juntas de Freguesia nada se altera. Manuel Honório lidera a lista para a freguesia de Atalaia, João Machado a de Vila Nova da Barquinha, Miguel Homem a de Tancos e Benjamim Reis a de Praia do Ribatejo. Recorde-se que o PS venceu cada uma das quatro freguesias do concelho em 2013.
Apesar de ainda não serem públicos os nomes que farão parte das listas à Câmara Municipal, o Jornal NA sabe que há alterações, apenas carecendo de oficialização por parte da comissão concelhia. Isto implica alterações ao nível da vereação que atualmente está entregue, por parte dos socialistas, a Rui Constantino Ricardo Honório (ambos com pelouros) e Rosa Garret.

Anúncios

VN Barquinha: António Costa visitou a escola que todos querem visitar. E gostou muito

_DSC0826.JPG

São 9h00 e praticamente não há espaço para os pais deixarem os seus filhos na Escola Ciência Viva (ECV) em Vila Nova da Barquinha (VNB).Viaturas com gravatas ao volante vão chegando e não há lugares suficientes para estacionamento. Em breve os passeios serão invadidos.

Meia hora mais tarde já está tudo a postos. A Guarda Nacional Republicana já montou o dispositivo, discreto. Dois seguranças pessoais do primeiro ministro posicionam-se nas extremidades entre a comitiva que não quer perder a chegada de António Costa. Nessa comitiva estão autarcas, representantes das forças de segurança, dos bombeiros, do agrupamento de escolas e demais entidades oficiais.

Fernando Freire, presidente da câmara de VNB, e Paulo Tavares, diretor do Agrupamento de Escolas de VNB, são os anfitriões. Antes da chegada, uma funcionária da escola diz em surdina que no dia anterior “trabalhámos até à noite” para deixar a escola num brinco. Mas não se queixava, antes sorria.

Cerca de três dezenas de pessoas aguardavam a comitiva que chegaria sem atraso de monta, pelas 9h30. O carro de António Costa chega e atrás dele seguem quatro outras viaturas que o acompanham.

Deve ser caso de estudo. Em pouco tempo, a ECV recebe a cúpula da educação do país. Em meados de 2016 foi João Costa, secretário de estado da educação, a visitar VNB e em Maio passado foi a vez de Tiago Brandão Rodrigues, ministro da educação. Agora, para além do ministro da educação repetir a visita, trouxe com ele António Costa.

Lá dentro a volta foi completa. De sorriso permanente, António Costa assistiu a cada momento preparado a regra e esquadro por parte da direção da escola. Os laboratórios com os alunos e alunas devidamente equipados e esforçados nas suas experiências, o grupo de teatro com o guião bem estudado, as vozes afinadas do coro, até as mesas do refeitório com os tabuleiros, talheres e loiça devidamente alinhados.

Não falhou nada.

_DSC0811.JPG

VNB é território confortável para os socialistas e para o seu governo. Bem discreto – como aliás é seu timbre – Miguel Pombeiro, ex-presidente da autarquia, acompanhou a visita. Não que dela necessitasse não tivesse sido ele quem renovou e reorganizou completamente o campus escolar durante os seus mandatos.

Pedro Ferreira, presidente da Câmara de Torres Novas (PS) também fez questão de estar presente, o mesmo acontecendo com António Gameiro, presidente da distrital socialista e com o deputado Hugo Costa.

A volta à escola foi rápida mas paciente e interessada. António Costa e Tiago Brandão Rodrigues não se furtaram a questionar os alunos sobre o que viam. Todos passaram com distinção ao exame governamental.

A visita de António Costa à ECV foi exploratória, mas foi também um bom momento para o primeiro ministro enviar uma mensagem para o país. Numa altura em que se discute o reforço da intervenção das autarquias nos projetos educativos, o primeiro ministro aproveitou os sorrisos do dia e as cameras de televisão e microfones para dizer que para “aqueles que têm muito medo de ver reforçado o papel das autarquias no processo educativo este é um excelente exemplo de que as autarquias não fazem mal ao projecto educativo. Porque combinar a proximidade da autarquia, o entrelaçar da autarquia com a comunidade escolar e a autonomia pedagógica da escola mais a flexibilização da gestão dos políticos é um casamento muito feliz e a melhor prova é o fruto deste casamento”. Já antes elogiara o projeto da ECV, “tomei uma decisão: não há melhor forma de começar o dia como visitando uma escola. E de facto ontem era o dia mundial da criança. De facto, começar o dia numa escola tão sorridente é muito inspirador e demonstra bem a importância da escola, e esta em particular”.

“Nós hoje sabemos que todo o nosso futuro depende da capacidade que tivermos de produzir conhecimento e de o aplicar. Este investimento que está hoje a ser feito é da maior importância para aquilo que queremos que o país seja daqui a 25 anos quando estas crianças tiverem completado o seu processo educativo e puderem ter a oportunidade de se realizarem e de aplicar o conhecimento acumulado ao longo da vida”, disse o primeiro ministro, projetando depois o que considera serem as prioridades do país, “a maior obrigação que nós temos é prosseguirmos nas próximas décadas a investir na educação como prioridade central, não pode ser só uma paixão, tem de ser consumada”.

Já no final do discurso, António Costa congratulou o “notável” trabalho de toda a comunidade, “porque é difícil encontrarmos em qualquer parte do país uma escola com uma excelência destas. Só tenho mesmo pena de não poder voltar cá amanhã outra vez… (amanhã é sábado, ouviu-se na sala) “segunda feira!”, respondeu o governante. “Já vi que é uma excelente forma de começar o dia”.

Fernando Freire foi o primeiro a discursar no final da visita. O autarca realçou “a história da barquinha, que é a luta pela nossa nacionalidade e de que é exemplo o Castelo de Almourol, é o local onde se construíram as primeiras galeotas com que se iniciou os descobrimentos”.

_DSC0752.JPG

O presidente da autarquia aproveitou para apelar a António Costa sobre outro assunto que tem estado na sua agenda, “apelo ao senhor primeiro ministro, como militar aposentado, pois gostaria que numa hipotética solução Portela mais dois, a força aérea regressasse a VNB”.

“Os municípios são a estrutura fundamental para a questão dos serviços públicos numa dimensão de proximidade e VNB é um exemplo disso. Desde 2009 que tem contrato de transferência de atribuições de competência em matérias de educação. Fica então explicado porque é que a autarquia tanto investiu na educação”, afirmou ainda Freire a propósito das parcerias que permitiram a construção da escola e criação do projeto.

Já Paulo Tavares agradeceu a visita de António Costa e Tiago Brandão Rodrigues, “é um motivo de grande orgulho, sendo potenciadora de sinergias para continuar a desenvolver um trabalho profícuo pelos nossos alunos”, “preparamo-los para serem cidadãos em pleno neste século 21”.

O diretor do agrupamento de escolas disse ainda que o mesmo se encontra “envolvido num projeto de inovação pedagógica, foi um convite que muito nos honrou e esperamos que o nosso trabalho seja uma mais valia no sentido de contribuir para o sucesso educativo dos nossos alunos visando essencialmente a qualidade desse sucesso educativo. A vossa presença é inspiradora para continuara  desenvolver o nosso trabalho”.

À saída, questionado pelos jornalistas, e depois de ter cumprimentado uma a uma cada criança que o esperava num corredor humano, António Costa criticou a saída dos Estados Unidos do acordo de Paris. “Quando aqui chegámos, ouvimos logo o hino da escola e, creio que foi logo no primeiro verso, os meninos diziam que quando o mundo começou não havia poluição”, começou por dizer. “É pena o presidente Trump não ter frequentado esta escola. E é muito bom saber que estes meninos já sabem o que muitos responsáveis do mundo não sabem: só temos um planeta e o nosso primeiro dever é preservá-lo para as gerações futuras.”

Texto: Ricardo Alves

Fotos: Carlos Maia

VN BARQUINHA: Transporte a Pedido a partir de Maio

O projecto da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo é inovador e depois de uma fase de experiência piloto em Mação, em Janeiro de 2013, chega a Vila Nova da Barquinha, depois de implementado em Abrantes, Sardoal e Ourém. Aproximar as populações rurais, mas não só, aos serviços públicos é um dos objectivos

Pág 3 TAP2

A apresentação realizou-se no dia 3 de Março no Centro Cultural de Vila Nova da Barquinha (VNB) e serviu para esclarecer a população sobre a nova solução de mobilidade. O Transporte a Pedido, projecto desenvolvido pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT), foca-se nas populações rurais, oriundas de zonas de baixa densidade populacional, e que a partir de Maio vai permitir a ligação entre Cafuz (Praia do Ribatejo) e a sede do concelho, passando por Tancos e tendo ainda dois percursos experimentais até à estação ferroviária do Entroncamento.

O transporte consiste na disponibilização de táxis e autocarros escolares em percursos de ida e volta com horários previamente definidos, no período da manhã, almoço e tarde. Para aceder ao serviço o utilizador terá de ligar antecipadamente para marcar a viagem e deslocar-se no dia da mesma aos locais de paragem.

Transporte Público

Um projecto “inovador”, assim o caracterizou Miguel Pombeiro, Secretário Executivo da CIMT, acrescentando que o Transporte a Pedido “se assemelha ao transporte público, com percursos, horários, paragens e tarifários definidos”. A diferença, explicou, “é que é necessária a pré-reserva por telefone”. Mas há mais diferenças, segundo os dados disponibilizados por Miguel Pombeiro, “o transporte a pedido permite uma redução de 95% dos quilómetros percorridos pelo transporte regular”.

Efectivamente, se não houver pré reservas as viaturas não se deslocam às paragens definidas. As pré-reservas podem ser feitas através do número de telefone 800 209 226 (gratuito) e os preços foram estabelecidos com base em valores padrão correspondentes a 1,5 da tarifa de bordo dos autocarros e a divisão da despesa de um táxi por quatro passageiros. As viagens custam €1,60 se não excederem os cinco quilómetros, €2,80 entre esta distância e os 15 quilómetros e €4,00 entre os 15 e os 25 quilómetros.

Para quem utilize o serviço de forma regular existe a possibilidade de aquisição de um pacote de 10 bilhetes com desconto de 30% no total.

Números do projecto

O projecto é simples, apesar de parecer o contrário. Na apresentação, que contou também com Fernando Freire, presidente da Câmara de VNB e Olinda Pereira, consultora da TIS – Consultores em Transportes Inovação e Sistemas, foi realçado que uma das dificuldades iniciais foi a “desconfiança das populações”, numa altura em que é raro serem apresentados serviços como este, “que efectivamente ajudam as populações”.

Mas segundo Olinda Pereira, os dados são esclarecedores. “Temos elevados níveis de satisfação”, assinalando que “os lugares mais pequenos geram mais procura” e que 67% das deslocações são por motivos de saúde e 72% das pessoas que utilizaram o serviço fizeram-no mais que uma vez”.
Olinda Pereira detalhou ainda que o circuito de VNB foi “desenhado para integrar os serviços já existentes do Transporte Escolar” e que tem início em Cafuz, passa pela sede de freguesia, Tancos, VNB, zonas residenciais de Moita do Norte e Atalaia e, finalmente, Estação de Caminhos de ferro do Entroncamento”, esta última paragem é articulado com os horários dos comboios Intercidades.

Pág 3 TAP

Divulgação

Fernando Freire apontou a necessidade de se proceder à divulgação do projecto junto das populações e que esse trabalho, antes do arranque em Maio, será fundamental para a implementação com sucesso do mesmo. “Em VNB pensámos na zona rural da freguesia de Praia do Ribatejo, nomeadamente Cafuz, Madeiras e Limeiras, para permitir a deslocação aos serviços da vila, como é o caso da Loja do Cidadão, Centro de Saúde e outros serviços públicos”.

Texto: R.Alves
Foto: P. Basso

Moita Do Norte: Concretizado desejo antigo com requalificação do Jardim da Nora

_DSC1144

A reabertura aconteceu no dia 8 de Novembro e devolve à comunidade um espaço referência para cidadãos de todas as idades

“A GRANDE OBRA REALIZADA PELA JUNTA DE FREGUESIA neste mandato autárquico”, palavras de João Machado (PS), presidente da Junta de Freguesia de Vila Nova da Barquinha, durante a reabertura do Jardim da Nora, totalmente renovado e com valências para todas as idades. A obra de requalificação foi ao encontro de um desejo antigo da comunidade e há anos adiado. No primeiro ano de mandato, João Machado pôs mãos à obra, mas não esqueceu todo o trabalho e pessoas envolvidas.

O Jardim da Nora, junto ao Jardim-de-infância de Moita do Norte, foi requalificado com baixos custos, cerca 35 mil euros, devido à envolvência de várias pessoas que a Junta de Freguesia conseguiu congregar. “Agradeço a todos os trabalhadores que participaram nesta obra” assinalou João Machado, estendendo os agradecimentos aos membros da assembleia de freguesia, “à arquitecta e directora do projecto – Rita Inácio (…), ao topógrafo Paulo Gomes que marcou o terreno e nada cobrou, Júlio Ventura, que nos instalou o sistema de rega gratuitamente, ao Manuel Honório pelo apoio, ao Laurentino que ofereceu a caixa de água para a Nora, às construções Barros por nos mostrarem sempre o caminho mais económico apesar de receberem pelos trabalhos realizados, ao Cláudio, fiscal da Câmara, pelos conselhos, aos camaradas de executivo, ao Fernando Aparício e principalmente ao Laurindo Esperança que me acompanhou nesta luta diariamente”, referiu ainda.

_DSC1099

Fernando Freire, presidente da autarquia de Vila Nova da Barquinha, realçou a obra fruto de “várias boas vontades e altruísmo”, elogiando o jardim “agradável, com qualidade, e que as pessoas de Moita do Norte e das terras vizinhas o possam usufruir com alegria e, também, essencialmente para descanso e lazer dos mais idosos que bem precisam”.

A cerimónia contou com uma assistência de várias dezenas de pessoas e a placa de reabertura foi descerrada por duas crianças. O renovado Jardim da Nora conta com vários equipamentos de ginástica para idosos, equipamentos de recreio para crianças e jovens, bem como um aparelho para pessoas com mobilidade reduzida numa área especificamente pensada para o efeito.

Texto e Fotos: Ricardo Alves

_DSC1146

_DSC1150

_DSC1153

_DSC1104

_DSC1107

_DSC1108

_DSC1117

_DSC1119

_DSC1125

_DSC1132

_DSC1136

_DSC1140

_DSC1143

Entrevista Fernando Freire: “O concelho e a região possuem um enorme potencial”

Fernando Freire, presidente da Câmara de Vila Nova da Barquinha, congratula-se com o aumento exponencial da oferta de camas turísticas no concelho. Em breve entrevista ao NA, fala de grandes potencialidades.

JNA – A falta de camas turísticas tem sido apontada como uma lacuna pelos executivos de VNB. Este aumento é o começo de uma nova etapa turística no concelho?
Pela sua localização geográfica e pela sua história, Vila Nova da Barquinha é detentora de um vasto e rico património natural, arqueológico e arquitectónico: dos monumentos nacionais Castelo de Almourol e Igreja Matriz de Atalaia, até ao PECA, um magnífico produto turístico que necessita de ser melhor divulgado, e provavelmente melhor enquadrado de forma a poder tornar-se numa mais-valia para a região, com a novel Galeria de Arte e a Escola Ciência Viva, julgamos que encetámos uma nova etapa para tornar o turismo numa actividade económica geradora de crescimento e progresso para a região e para VNB.

JNA – VNB tem dos volumes de projectos e investimento maiores na área de acção da ADIRN. A que se deve?
Nos últimos anos os projectos do Município foram, essencialmente, do QREN. Todavia, tendo os fundos comunitários vários programas, não olvidamos o PRODER cuja responsabilidade de gestão cabe à ADIRN. Consequência de grande dinamização do programa, com contacto pessoal com os promotores, e da ajuda dos técnicos do Município e da ADIRN, foi possível efectuar elevado número de candidaturas com elevada capacidade técnica e aprová-las com benefício das microempresas, IPSS´s, colectividades, etc. 

JNA – Estão reunidas as condições para aproveitar o potencial turístico do concelho?
Com relevância da nossa conhecida hospitalidade, com a criação do posto de turismo, de novas cinco unidades de alojamento local e com a construção do albergue da Juventude, estão iniciadas as condições de informação e da oferta de alojamento. Temos de valorar a permanência das pessoas no nosso território o que, certamente, será fonte de riqueza e de desenvolvimento da região.

JNA – Quais as grandes preocupações do executivo na área do turismo?
É importante mudar mentalidades e olhar o turismo como uma receita e não uma despesa. Temos que apostar na requalificação do património, como é exemplo o castelo de Almourol, apostar nos percursos ribeirinhos, na ciclovia para ligar os concelhos confinantes e facilitar a mobilidade entre as populações. E não nos podemos esquecer que o concelho, e a região, possuem um enorme potencial para o desenvolvimento, um aeroporto regional em Tancos – Praia do Ribatejo e, também, um novo produto turístico, o turismo militar, centrado no turismo activo, aproveitando as excelentes relações institucionais com as autoridades militares.

JNA – Que efeitos terá este aumento na vila, no seu centro histórico, economicamente?
A presente entrevista é direccionada para o nosso concelho. Porém, devemos ter uma visão regional do âmbito do quadro 2014-2020. Existem na região inúmeros pólos de atracção turística que podem complementar a oferta e ajudem a acrescentar as estadias médias na nossa Vila e no Médio Tejo (como Fátima, o Convento de Cristo, etc).
VNB tem uma centralidade de excelência quer em termos rodoviários quer ferroviários quer aeroportuários, (não devemos deixar cair a questão do aeroporto!) o que permite deslocações rápidas e seguras para quem nos visita. O facto de termos pontos de relevante interesse turístico favorece a criação de pólos de comércio e de restauração no nosso concelho o que levará os visitantes, ou turistas, a tornarem-se consumidores. Se isso acontecer todos ganhámos, porém, o futuro a Deus pertence.

(Entrevista com Fernando Freire, Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha, sobre o aumento do número de camas turísticas no concelho. Extracto da edição de Fevereiro do JNA)