Golegã: Quinta da Cardiga à venda na Sothesby’s

Não tem preço, “sob consulta”, lê-se na página de internet da imobiliária internacional Sothesby’s. A Quinta da Cardiga, local de culto e de muitas visitas para os habitantes da região e do país, situada no concelho de Golegã junto ao Rio Tejo, está à venda e o conjunto de fotografias disponibilizado na página para consulta deixa antever a dificuldade em encontrar um valor.

Há vários anos que circulam rumores de que a enorme propriedade – 30 Quartos, 22297 m2 de área bruta e 422400 m2 de Área Terreno – estaria à venda, vendida ou em negociação. Agora, a publicação por parte da imobiliária Sothesby’s International Realty confirma a entrada no mercado.

Certo é que será preciso um grande investimento por parte dos interessados, não só na aquisição da propriedade como também na requalificação e restauro.

Se estiver interessado… pode conhecer o interior da quinta no link abaixo.

Ricardo Alves

http://www.sothebysrealtypt.com/imoveis/quinta-30-quartos-golega-golega_pt_10580

Município de Vila Nova da Barquinha revoga alvará de suinicultura

Leia o comunicado da autarquia na íntegra

Os maus cheiros que se fazem sentir nos últimos meses e a falta de Licença Ambiental levaram a Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha a deliberar, hoje, dia 26 de novembro de 2014, em reunião de executivo, a revogação do alvará de autorização de uma suinicultura atualmente em funcionamento na Herdade do Colmeiro, junto à sede do concelho.

A Licença Ambiental emitida pela Agência Portuguesa do Ambiente em Janeiro de 2009 ao operador era válida até 27 de Janeiro de 2014. A criação intensiva de suínos tem originado maus cheiros e poluição ambiental, afetando as duas localidades mais próximas da exploração – Vila Nova da Barquinha e Moita do Norte.

Esta é, inevitavelmente, uma questão sensível para Vila Nova da Barquinha, um concelho que aposta no turismo e na qualidade de vida.

Em Outubro de 2014 os serviços de fiscalização da Câmara Municipal, acompanhados pelo Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) detetaram irregularidades na exploração, nomeadamente descargas para linhas de água sem qualquer tipo de tratamento, factos que poderão estar na origem dos odores incómodos para a população.

Perante os fortes indícios de violação da lei e os danos causados quer à comunidade residente, quer aos visitantes dos múltiplos equipamentos turísticos do concelho – Parque de Escultura Contemporânea Almourol, Centro Integrado de Educação em Ciências, alojamentos turísticos e restaurantes – o Município deliberou a revogação da Licença de Utilização n.º 52/2009, sem prejuízo da audiência prévia do operador.

O tema já foi motivo de queixas nas redes sociais, abaixo-assinados, de várias interpelações nas Assembleias de Freguesia e Municipal e alvo de tratamento noticioso pela Comunicação Social local.

Atualmente está em curso uma petição pública “por uma Barquinha livre do mau cheiro de suinicultura” dirigida à Câmara Municipal, ao titular da exploração, à Agência Portuguesa do Ambiente e SEPNA, apelando ao “bom senso de todos os intervenientes e que as populações sejam respeitadas nas suas pretensões de ter um ambiente de qualidade e que a violação do mesmo seja prontamente reparada”. O documento pode ser assinado online em http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT75402

VN Barquinha: Criado abaixo-assinado por “Uma Barquinha livre dos maus cheiros de suinicultura”

_DSC0928

A população de Vila Nova da Barquinha (VNB) está a fazer correr pelas redes sociais um abaixo assinado para “pressionar” as partes envolvidas e com palavra a dizer no processo a resolver a questão dos maus cheiros provenientes da exploração suinícola instalada a norte da sede de concelho – Herdade do Colmeiro.

A acção descreve os problemas ambientais causados como estando a assolar “há muitos anos – e nos últimos meses com maior intensidade – a população de Vila Nova da Barquinha, Moita do Norte, Atalaia e Entroncamento, bem como localidades adjacentes”.
Iniciada há quatro dias, a petição pode ser assinada online e no seu texto de fundamentação adverte para a “propagação de fortes odores com prejuízo para a qualidade de vida dos cidadãos que vivem nas suas imediações, para a imagem do concelho junto dos seus visitantes e derradeiramente para os interesses da economia local”.

Em 2009 um abaixo-assinado circulou pelo concelho, igualmente organizado por residentes de VNB mas o mesmo não resultou no objectivo de não licenciamento da exploração Suinícola da Herdade do Colmeiro. A situação actual é, apurou o NA, diferente de então. Não só uma inspecção à exploração detectou irregularidades, estando o valor das multas por apurar, como também o executivo camarário, liderado por Fernando Freire, está no terreno a tentar encontrar uma solução para a questão.

A petição, dirigida à Câmara Municipal de VNB, Carnes Valinho S.A. (proprietária da exploração com sede em Alcanede), Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), apela ao bom senso de todos os intervenientes e que as populações sejam respeitadas nas suas pretensões de ter um ambiente de qualidade e que a violação do mesmo seja prontamente reparada.

O texto integral da petição pode ser lido no link aqui disponibilizado onde, concordando com o texto, os cidadãos poderão também assinar e deixar o seu comentário.

Texto: RA

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT75402

Atalaia: Jardim-de-infância assaltado durante a madrugada

Educadoras e auxiliares chegaram esta manhã, quinta-feira, ao Jardim-de-infância de Atalaia e depararam-se com material desaparecido. O Quadro Interactivo foi levado pelo(s) assaltante(s) bem como outros materiais informáticos, durante a madrugada.

O estabelecimento de ensino encontra-se encerrado e só reabrirá amanhã, sexta-feira. Este é o segundo assalto na área no espaço de duas semanas, sendo que o Centro de saúde da localidade foi igualmente alvo de assalto.

As autoridades apelam a que os residentes reportem quaisquer evidências de ilícitos.

RA

Nersant ajuda a nadar com os “Tubarões”

_DSC1182

O programa televisivo “SharkTank”, baseado num outro programa – “Dragons’Den” – revelou-se um verdadeiro êxito de audiências a nível mundial e dos Estados Unidos da América vai atravessar o oceano Atlântico e aterrar em Portugal. A associação empresarial NERSANT, em parceria com a empresa produtora do programa, organizou no passado dia 11 de Novembro uma Sessão de Divulgação e esclarecimento de dúvidas sobre o “SharkTank”.

Sob o olhar atento do CEO da Shark Tank Portugal e de uma sala cheia no complexo da Nersant em Torres Novas, Salomé Rafael, presidente da associação empresarial ribatejana, afirmou que “a Nersant diferenciou-se de outros parceiros do programa por acompanhar os projectos, dizendo aos jovens o que devem fazer, guiando-os” ao longo do processo de candidatura.

A Nersant é parceira do programa e o objectivo é angariar empresas ou empreendedores a inscrever-se na versão portuguesa do programa com os interessados a beneficiarem de apoio técnico gratuito para a candidatura ao programa Shark Tank.
O programa, que deve arrancar no início de 2015 na SIC, baseia-se num conjunto de investidores aos quais os empreendedores recorrem apresentando as suas ideias de negócio e propõem uma parceria com os investidores “Tubarões” buscando investimento. Os cinco tubarões, empresários de sucesso em Portugal, quatro homens e uma mulher, serão divulgados na próxima segunda-feira, dia 17 de Novembro.

Paulo Sousa Marques, CEO da Shark Tank Portugal, detalhou as características do programa e aconselhou os presentes sobre o modo de candidatura, bem como a forma como os projectos deverão ser apresentados. “Portugal será o primeiro país a receber o programa fora dos Estados Unidos da América, seguindo-se a Austrália”, contou Paulo Marques. “As candidaturas devem ser feitas na página online do programa e com o envio de um vídeo de apresentação da ideia, patente ou negócio”, acrescentou Paulo Marques, lembrando que o vídeo pode ser feito até no telemóvel.
O CEO repetiu várias vezes, inclusivamente na fase de perguntas e respostas, que um bom plano de negócios bem como o conhecimento do valor de mercado do que se vai apresentar é fundamental, “os tubarões estão lá para fazer negócios e não para aparecer na televisão”. Os concorrentes devem, assim, ter bem presente o valor que vão pedir e uma ideia clara onde o querem usar.

Outra das premissas fundamentais a saber sobre o programa é que o valor proposto inicialmente não é mutável durante o programa, “o valor com que chegam é fixo, se pedem 100 mil euros é essa a verba aceite ou negociada até final”, acrescentou Paulo Marques. Daí a necessidade “de serem prudentes na avaliação”, para não serem devorados pelos tubarões.

O programa

Cinco empresários de sucesso em Portugal foram escolhidos e resolveram colocar capital, experiência e redes de contactos à disposição de empreendedores que mereçam ser ajudados a desenvolver as suas ideias e negócios. Os cinco Tubarões vivem numa procura constante de novos negócios em busca do melhor que os empreendedores portugueses têm para oferecer.

Se tem uma empresa à procura de capital para crescer, já presente no mercado, com um histórico de vendas e resultados, e um produto que já passou, ou está a passar, pelo teste de mercado, se tem patentes inovadoras que precisam de capital para lançamento no mercado ou se empresas à procura de capital para internacionalizar o negócio uma vez que os Tubarões têm experiência e contactos internacionais que podem pôr ao serviço dos empreendedores, este é o programa para si.

Até à primeira semana de Novembro a SIC já recebera 400 candidaturas e decidiu aumentar as vagas.

Texto e fotos: Ricardo Alves