VN Barquinha: XX Mês do Sável e da Lampreia

Pelo 20.º ano consecutivo, o peixe do rio volta a animar a gastronomia em Vila Nova da Barquinha.

O Município e os restaurantes do concelho unem-se para promover mais uma edição da mostra gastronómica “Mês do Sável e da Lampreia”, entre 8 de Fevereiro e 20 de Abril, uma iniciativa que tem como principal objectivo promover a cozinha típica e tradicional.

Banhado por três rios – Tejo, Zêzere e Nabão – o concelho de Vila Nova da Barquinha tem no peixe do rio a sua principal fonte de sabores.

Iguarias como Açorda de Sável e Arroz de Lampreia, entre outras receitas tradicionais, são servidas à mesa dos 7 restaurantes aderentes, num concelho cuja história está intimamente ligada à actividade piscatória.

Ao provar os pratos únicos da gastronomia portuguesa e que remontam aos princípios da nacionalidade, os visitantes poderão ganhar bilhetes para passeios de barco ao Castelo de Almourol e conhecer um monumento ímpar e na região e no país, com um património arquitectónico e paisagístico magnífico (1 bilhete por dose, sendo a promoção válida apenas ao fim-de-semana).

Restaurantes aderentes:
1. Almourol (Tancos) 249720100
2. A Carroça (Limeiras) 249739718
3. Chico (Praia do Ribatejo) 249733224
4. Ribeirinho (Barquinha) 249712292
5. Soltejo (Barquinha) 249720150
6. Stop (Atalaia) 249710691
7. Tasquinha da Adélia (Barquinha) 249711792IMGP9001

Anúncios

VN Barquinha: Exposição “Bustos e cabeças” de Rui Sanches

VN Barquinha: Exposição “Bustos e cabeças” de Rui Sanches republica_rui_sanches2

“BUSTOS E CABEÇAS ” (desenhos e esculturas) é uma exposição de Rui Sanches, um dos mais importantes escultores e desenhadores revelados nos anos 80 do século passado, que vai estar patente ao público na Galeria do Parque, em Vila Nova da Barquinha, entre 8 de Fevereiro e 25 de maio de 2014.

Com comissariado de João Pinharanda, esta exposição mantém a continuidade de colaboração da Fundação EDP com o Município de Vila Nova da Barquinha na programação da Galeria do Parque.
A exposição, constando de desenhos, mas principalmente de esculturas de interior, como que anuncia a próxima presença de uma obra pública da autoria de Sanches, cuja construção está prevista acompanhar a reabilitação do castelo do Almourol, acrescentando-se assim mais uma significativa peça ao Parque de Escultura Contemporânea Almourol.

Café assaltado em Constância

Estabelecimento junto às bombas de gasolina na vila, a escassos metros da Câmara Municipal de Constância, foi assaltado na madrugada de sexta-feira, 24 de Janeiro.

Na madrugada desse dia, a proprietária do café deparou-se com os vidros partidos e chamou a GNR. As gravações da câmera de segurança mostram três indivíduos vestidos de preto que usaram duas viaturas, um carro e uma carrinha, para carregar a máquina de tabaco.

A máquina havia sido carregada no dia anterior ao assalto e foi mais tarde encontrada perto do Castelo de Almourol, já arrombada e vazia.

Tramagal: Detidos três suspeitos de furto de metais não preciosos

Os três suspeitos foram detidos em flagrante delito em plena luz do dia, pelas 15H00 de hoje (24 de Janeiro) por militares da GNR de Tramagal. Os indivíduos procediam ao furto de metais não preciosos, concretamente linhas em ferro no valor de 7650,00€.

A GNR teve conhecimento, segundo explica o comunicado do Comando Territorial de Santarém, de que na zona da estação ferroviária do Tramagal se encontravam três indivíduos a furtar linhas em ferro, e dirigiram-se de imediato para o local, onde se depararam com uma viatura ligeira de mercadorias e três indivíduos a transportar barras em ferro para um determinado local, onde supostamente as iriam carregar.

“Os suspeitos ao aperceberem-se da chegada da Guarda esconderam-se, contudo, passado pouco tempo tentaram alcançar a viatura e fugir, acabando por ser detidos naquele momento”.

Os suspeitos, de nacionalidade portuguesa, com 20, 22 e 30 anos de idade são todos residentes no concelho de Abrantes. A detenção foi efectuada no âmbito do programa Campo Seguro e resultou na apreensão de barras de carril com cerca de 900 kg no total e ainda na apreensão da ferramenta necessária para as retirarem do local.

descarrilamento_carris_rodadosOs três indivíduos vão ser presentes no Tribunal Judicial da Comarca de Abrantes na segunda-feira, dia 27 de Janeiro.

Tomar/Cem Soldos: O Festival Bons Sons 2014 já tem imagem

O Sport Clube Operário de Cem Soldos deu a conhecer a imagem da edição 2014 de um festival que traz milhares à região, um evento único do qual o nosso cronista, Luís Ferreira, é director.

Recordamos aqui a crónica de Dezembro. Luís Ferreira volta a escrever nas páginas de Fevereiro do NA.

DISCO RISCADO: Boas práticas culturais

“Foi distinguida, no passado dia 1 Dezembro, com o prémio de Boas Práticas Associativas do Instituto Português do Desporto e da Juventude, para a região de Lisboa e Vale do Tejo, a associação cultural SCOCS (Sport Club Operário de Cem Soldos) pela realização do Festival BONS SONS.

É comum os municípios quererem ter eventos embaixadores que correspondam às tendências do momento. Um pouco como a moda do Centro Cultural imponente, muitos municípios e instituições de desenvolvimento local têm promovido festivais instantâneos que vivem como verdadeiros “extraterrestres” no seu território. Pululam festivais de dança contemporânea, festas medievais, feiras do chocolate, entre outros que tentam sempre mimetizar o sucesso dos pioneiros.

Que fique claro que sou defensor de que as boas práticas devem ser recriadas e replicadas. O problema geralmente reside na dificuldade em perceber o que realmente são os elementos a reter e qual o conceito base que pode constituir uma inspiração para os demais.

Com o caso do BONS SONS poderemos perceber qual o foi o contexto propício para o seu aparecimento (em 2006) e crescimento.

O BONS SONS vive da malha urbana de Cem Soldos e envolve todos os habitantes na organização. Por isso, este Festival mantém-se e promove-se pelo sentimento de pertença dos cem soldenses.

Na sua génese aproveitou-se um espaço de oportunidades. Por um lado, conquistou-se um vazio na programação dos festivais que não tinham espaço para a música nacional enquanto esta crescia em qualidade e diversidade. Por outro, posicionou-se como agregador social pelos motivos da sua criação – o descontentamento de jovens de Cem Soldos que não se reviam nos actuais arraiais, descaracterizados e distanciados do seu conceito popular, tanto no programa como na promoção do convívio e partilha.

Adversamente, tinha um conceito base pouco atractivo para o patrocínio de grandes marcas, como acontece a outros festivais nacionais, mas isto permitiu que o BONS SONS livrasse os seus festivaleiros das campanhas de marketing predadoras. Vive-se um festival com espaços limpos sem parecer um “centro comercial ao ar livre”.

Em resumo: o BONS SONS surgiu de um desconforto, aproveita a oportunidade e supera dificuldades. Mas é a sua identidade que congrega uma aldeia em torno de um objectivo comum, de se abrir e deixar uma marca num Portugal maior.

A caminhar para a sua 5ª edição, estima-se que o Festival tenha contribuído para o concelho, só numa semana, com 750 mil a 1 milhão de euros e se tenha tornado no evento que mais promove o valor da marca “Tomar”. Contudo, ainda não garantiu a viabilidade económica que lhe permita cumprir o ambicioso plano de se tornar o agente de impacto cultural e social que pretende. Poucos sabem que o Festival BONS SONS é “apenas” um embaixador de um ambicioso projecto social desenhado para criar valor na região, fixar nova população e melhorar as condições de vida locais.
Apesar do crescimento cauteloso, o BONS SONS tem consumado, de edição para edição, o seu plano.

Como dizia Saramago, “Não tenhamos pressa mas não percamos tempo”.

E é assim que o Festival BONS SONS encerra em si um exemplo de boas práticas associativas e se tornou no maior evento de música portuguesa.

Percebe-se que é mais proveitoso trabalhar sobre a identidade local para a realização de um evento cultural sustentável. Inventar projectos para beneficiar de financiamento cria apenas riqueza aos promotores durante o curto período do evento e nada traz de perene ao território e à sua gente. A agravar, ainda se criam ideias erradas sobre o que é a Cultura e se dispersa o seu interesse socioeconómico. Boas práticas precisam-se”.imagemBS'14

Constância: Fogo Real em Santa Margarida

No dia 23 de Janeiro, entre as 7h00 e as 17h00, no Polígono de Tiro da Brigada Mecanizada de Santa Margarida vão realizar-se exercícios de fogos reais de morteiros médios, morteiros pesados e metralhadora pesada.

Em comunicado, o Exército Português refere que no dia dos exercícios “serão vedados todos os movimentos para dentro e no interior da zona perigosa” e relembra a população para que “não se desloque ou mexa em qualquer granada ou engenho explosivo que porventura seja encontrado, devendo antes sinalizá-lo e comunicar a sua existência às autoridades militares ou forças
de segurança”.22371366sz6